Passar ao conteúdo

Num setor altamente competitivo como o retalhista, a garantia de sobrevivência depende da inovação tanto dos novos modelos de negócio como das novas tecnologias que os suportam.

No epicentro do negócio está sem dúvida o produto e tudo o que o afeta em maior ou menor grau: qualidade, preço, transporte e, claro, gestão de stocks.

É necessário assegurar que sempre que um cliente quiser comprar um produto, esse produto esteja disponível. A falta de stock é a principal causa da perda de vendas e um dos aspetos mais importantes em termos da qualidade de serviço percebida pelos clientes.

Hoje em dia, a gestão inteligente de stocks tornou-se uma grande vantagem competitiva de cada retalhista em relação aos seus concorrentes, tornando-se sinónimo de um melhor serviço ao cliente e de redução de custos.

Primeiro temos de fazer um breve resumo do ciclo de gestão de stocks. Se iniciarmos o ciclo a partir da venda de produtos, a primeira coisa a fazer é definir um limiar mínimo de stock na loja que deve ser dinâmico ao longo do tempo, dependendo da análise dos hábitos de consumo e específico para cada artigo, loja, área, etc.

Uma vez atingido este stock mínimo na loja, é importante gerir o reabastecimento a partir do armazém, iniciando assim a inclusão na fila de encomendas e a gestão logística do processamento, transporte e receção. Os diferentes armazéns, dependendo de cada retalhista, têm de realizar este mesmo ciclo de gestão de stocks e fazer as encomendas correspondentes aos fornecedores para não interromper a cadeia de abastecimento.

Com base na exploração de dados de stocks em tempo real, dados históricos e critérios-chave do negócio, as novas ferramentas acrescentam inteligência ao controlo de stocks ao serem capazes de simular diferentes cenários utilizando gémeos digitais, facilitando assim a tomada de decisões estratégicas para os diferentes atores do negócio:

  • Áreas de marketing: proporciona previsibilidade no consumo.
  • Áreas logísticas: fornece informações para a otimização dos armazéns.
  • Áreas comerciais: ajuda a definir novos modelos de relacionamento.

A um nível mais operacional, estas ferramentas fornecem um valor diferencial, reduzindo a perda de vendas causada pela falta de stock e custos, enquanto minimizam a logística inversa e cruzada. Este aumento de eficiência, com a automatização do controlo de stocks e a rápida identificação de tendências, aumenta a rentabilidade da operação e a qualidade do serviço aos clientes.

Estes parâmetros diferem em cada retalhista, pelo que as novas ferramentas inteligentes de controlo de stocks devem necessariamente adaptar-se à casuística específica de cada um e ser parametrizadas pelos próprios retalhistas para ter também em conta a estratégia de mudança definida pelo negócio.

Estes instrumentos reduzem significativamente a complexidade da gestão e planeamento de stocks, o que facilita uma redução da necessidade de intervenção humana e, consequentemente, uma redução dos possíveis riscos associados. Também permite que pessoas-chave dediquem mais tempo a tarefas de alto valor acrescentado.

Outros pontos importantes são a visibilidade de todos os processos e indicadores valiosos para o negócio que permitem um controlo abrangente da operação e uma eliminação de formalidades e assinaturas através da automatização que também assegura a rastreabilidade de todos os processos. É aqui que tecnologias como blockchain começam a ser valorizadas.

Atualmente, as soluções SaaS ganham terreno na gestão inteligente de stocks graças à poupança de custos em hardware e à sua facilidade e rapidez de implementação. Também simplificam a integração com outros sistemas, a adaptabilidade a cada necessidade particular e facilitam a previsão de custos e manutenção graças a modelos de subscrição.

Javier  Palacio Díaz
Javier Palacio Díaz Perfil en Linkedin

Senior manager en BABEL.

Mais posts de Javier Palacio Díaz