Passar ao conteúdo
Cristina Flores, responsável corporativa de recrutamento e seleção para perfis tecnológicos nas diferentes filiais da BABEL, aceitou o nosso convite para um novo café com os nossos especialistas para falar sobre as novas ofertas académicas que estão a ser incorporadas no mundo do trabalho.

Antes de conhecermos em profundidade a sua opinião sobre este assunto, temos primeiro de realizar uma análise prévia de como está atualmente o mercado de trabalho, a fim de termos uma base que nos ajude a compreender bem as consequências que esta situação está a gerar.

Cristina, pela sua experiência, conta-nos como acredita que a pandemia de covid-19 afetou o mercado e a situação do emprego, tanto positiva como negativamente.

A pandemia significou que muitas empresas foram forçadas a mudar a sua filosofia de trabalho, passando de uma metodologia cara a cara para uma metodologia online, onde a empresa fornece ao empregado todos os recursos necessários para que este possa continuar a realizar o seu trabalho sem problemas a partir de casa. Esta situação repentina fez com que as pessoas demorassem algum tempo a habituarem-se, mas passado algum tempo, Cristina diz que "as pessoas com estão mais e menos confortáveis, porque o teletrabalho está a facilitar a conciliação familiar, algo que hoje estava muito em discussão e os candidatos prestam muita atenção a esse detalhe".

O teletrabalho tem sido um ponto de viragem para vários setores. Apesar de ser um setor novo e inovador, a maior parte do trabalho no setor das TI foi feito pessoalmente, pois muitos clientes receavam colocar em risco a informação e a confidencialidade dos seus projetos se não tivessem as equipas de trabalho por perto. Esta situação fez com que os clientes percebessem que garantir a segurança não está muitas vezes ligada à proximidade do equipamento, mas que a empresa pode continuar a oferecer os mesmos serviços à distância sem comprometer a privacidade e a confidencialidade da informação.

A parte negativa de tudo isto é que os candidatos, nas suas entrevistas de trabalho, têm como requisito que os seus contratos incluam uma cláusula que contemple a possibilidade de teletrabalho, ou seja, que seja reconhecido como uma forma de trabalho e não apenas como uma técnica ocasional. "Se uma empresa não puder fornecer este requisito, pode causar a perda de candidatos", diz Flores. Esta condição pode advir do facto de muitos trabalhadores terem encontrado no teletrabalho o modelo ideal para poderem combinar o mundo do trabalho com o pessoal, uma vez que proporciona às pessoas uma maior flexibilidade.  

A situação atual do mercado de trabalho também tem repercussões no campo académico, uma vez que estão a surgir novos planos de formação cada vez mais digitalizados e centrados em conhecimentos e exigências que dependem, em grande medida, daquilo que as empresas exigem.

Em setembro, a Google lançou novas formações em Experiência do Utilizador, Análise de Dados e Gestão de Projetos. Estes diplomas permitem aos estudantes que assim o desejem formarem-se neles e obterem um certificado profissional semelhante a um diploma universitário, mas em apenas 6 meses. Estão inteiramente online e custam cerca de 250 euros.

Segundo fontes da Google, "As certificações não substituem o ensino universitário, mas destinam-se a oferecer novas oportunidades de formação. Estamos conscientes de que há muitas pessoas interessadas em reforçar as suas competências".

Com este tipo de diploma pretendem dar uma oportunidade e oferecer estudos às pessoas que não podem pagar as elevadas taxas de inscrição que um diploma universitário implica, bem como satisfazer a procura do mercado no que diz respeito à escassez de profissionais qualificados no mundo da tecnologia.

Para Cristina, uma formação universitária não pode ser comparada com uma formação de 6 meses. "Uma carreira oferece-lhe uma contextualização do mundo e prepara-o para o trabalho diário e outros elementos tangíveis para lidar com os problemas. Por outro lado, alguns meses de formação treinam-no para trabalhar especificamente em certas tecnologias, procurando lacunas no mercado e preparando os estudantes para as preencher". Por conseguinte, este tipo de formação não deve ser visto como um risco para as carreiras universitárias, mas sim como um complemento para as reforçar.

Outra das questões que estas qualificações põem em causa é o facto de estarem 100% online. A covid-19, fez com que muitos estudos fossem interrompidos devido à presença destes, e é por isso que cada vez mais instituições académicas estão a aderir à prática online. "Da perspetiva do utilizador, é necessário que a formação seja presencial ou pelo menos semi presencial, pois os seres humanos por natureza precisam de uma certa pressão e estabelecer relações, algo que só pode ser conseguido através da frequência de uma sala de aula", diz Cristina. Mesmo assim, a formação online pode ser benéfica em certas situações e para certos estudos em que a maior parte do conhecimento é adquirida através de equipamento informático, tal como no setor tecnológico.  

Não se sabe se o conhecimento adquirido online é tão válido como o conhecimento adquirido presencialmente, ou vice-versa. Esta questão é uma que só o tempo pode resolver, uma vez que o feedback dos diferentes métodos de ensino irá determinar a diferença entre um e outro.

O que é fundamental para as empresas é que o empregado tenha uma qualificação regulamentada e que o conhecimento do empregado seja continuamente monitorizado. "A avaliação e a formação contínua são necessárias para que os perfis que uma empresa tem possam evoluir ao longo dos anos e, pelo contrário, não estagnar".

Este tipo de avaliação é muito útil para observar o progresso do empregado, para ver se ele pode continuar a avançar e a melhorar no seu setor ou se, por outro lado, não pode avançar mais e precisa de ser relocalizado na empresa para poder desenvolver todo o seu potencial.

"O ser humano precisa de feedback, acredito que não temos capacidade de autocrítica ou autoavaliação, por isso precisamos de uma pessoa do nosso ambiente mais próximo para nos dar a sua opinião sobre o que pensa sobre nós. Não importa o quanto saiba sobre si próprio, precisa de um terceiro para o ajudar a não fazer asneira, para o motivar a continuar".

A conclusão a que chegámos com a nossa conversa é que o importante é conseguir o melhor e mais rentável talento. Como diz Cristina, "temos de sentir que estamos a fazer coisas por alguma coisa", se conseguirmos sentir-nos realizados com o que fazemos, sentiremos que isso nos impele a continuar. 
Descripción imagen
María López Perfil en Linkedin

Periodista de vocación, comienzo a dar mis primeros pasos profesionales en el Departamento de Comunicación de BABEL. Apasionada de la organización de eventos, destino mis conocimientos a su creación y gestión. Me considero fiel creyente de un aprendizaje y evolución constante, que te haga crecer en todos los ámbitos de la vida.

Mas post de María López