Passar ao conteúdo
BABEL Blog

Metodologias ágeis, um aliado diante da crise

06 maio 2020

Tags

  • agile
  • equipas
  • quarentena
  • teletrabalho
A pandemia de coronavírus está a afetar a nossa sociedade de uma maneira que até recentemente acreditávamos ser possível apenas em filmes de ficção científica: hospitais sobrelotados, cidades vazias, fronteiras fechadas, empresas em teletrabalho, setores económicos paralisados ​​até que uma vacina seja encontrada…Sem dúvida, esta crise marcará um antes e um depois no nosso modo de entender o trabalho e a vida.

Embora a prioridade numa emergência como a atual seja responder com contramedidas urgentes, após as primeiras semanas, é hora de começar a pensar em como gerir o novo contexto que enfrentaremos, e a metodologia Agile oferece-nos muitos conceitos chave para fazê-lo.

A característica fundamental deste novo contexto é a incerteza: como é que os meus negócios serão afetados? Quais são os riscos que devo mitigar? Onde surgirão oportunidades? Quanto tempo vai demorar para tudo isto acontecer? A vantagem do Agile é que ele foi projetado precisamente para gerir incertezas. Ao contrário das metodologias de gestão clássicas que se concentram em tentar prever o futuro com a maior precisão possível, o Agile propõe observar cuidadosamente os sinais provenientes do contexto e maximizar a nossa capacidade de reagir da maneira mais rápida, eficiente e ágil possível.

Se já soubéssemos que esta capacidade de reação permitiu às empresas que aplicam o Agile destacarem-se acima dos seus concorrentes, no novo cenário gerado pelo Covid-19, pode fazer a diferença entre as empresas que sobrevivem e as que ficam pelo caminho.

Para isso, a receita é a mesma com a qual trabalhamos na BABEL há muitos anos com muitos dos nossos projetos e clientes: a aplicação sistemática de valores culturais, gestão Lean-Agile e princípios de liderança, que se materializam num conjunto de práticas como Sprints, Dailys, Retrospectivas, Histórias de Usuários, Esquadrões, Tribos, OKRs, Quadros Kanban, Círculos Holocráticos, Salas de Obeya, Orçamentos Lean, etc. Mas não nos vamos confundir, estes métodos, que é o que todos vemos à primeira vista, são apenas as ferramentas deste novo modo de pensar que é Agile e é aqui, neste novo modo de pensar, onde o valor está e não nas práticas em si.

Eu queria fazer este esclarecimento porque muitos me têm feito o mesmo comentário recentemente: “mas agora que todos temos que teletrabalhar Agile, ele não pode ser aplicado, os agilistas sempre nos disseram que as equipes de Agile precisam de ser localizadas”. Declarações como esta são mais uma vez o resultado de práticas e princípios confusos. Uma coisa é que os princípios do Agile afirmam que, sob as mesmas condições, uma equipa é mais produtiva se trabalhar co-localizada e outra é concluir que uma equipa que trabalha com teletrabalho será sempre menos produtiva que uma co-localizada ou que uma equipa que trabalha com teletrabalho não pode aplicar o Agile.

A chave, como eu digo sempre, é entender bem o princípio (nas mesmas condições, uma equipa é mais produtiva se trabalhar co-localizada) e analisar como gerar uma prática para que este princípio funcione a nosso favor. Se a resposta tradicional seria manter as equipes localizadas, a resposta neste novo contexto envolve necessariamente desafiar a cláusula "nas mesmas condições", equipando as equipas que se comunicam com ferramentas mais poderosas (existem muitas ferramentas não apenas para videoconferência e arquivos em nuvem, mas também por exemplo de quadros brancos virtuais) e um maior comprometimento e intenção. Neste último aspecto, por exemplo, Howard Sublett, co-CEO da Scrum Alliance, recomenda que as equipas mantenham sua câmera e áudio conectados durante todo o dia do teletrabalho, para não penalizar a comunicação tangencial que ocorre esporadicamente e sem agendamento.

Por tudo isto, o Agile não pode continuar a ser aplicado apenas no modo de teletrabalho, mas o seu uso deve ser reforçado, pois, graças ao Agile, as equipas serão muito mais produtivas e, em geral, toda a organização estará mais apta a responder à incerteza global gerada pelo pandemia. Somente se pensarmos de modo diferente é que podemos enfrentar com sucesso os desafios do futuro.

 
Descripción imagen
Jorge Díaz Perfil en Linkedin

Apasionado del pensamiento sistémico desde mis años más tempranos. Como ingeniero de Telecomunicación pasé unos años trabajando en desarrollo de sistemas para, al descubrir Lean y Agile, pasar a dedicarme a mi verdadera pasión: facilitar el desarrollo de organizaciones óptimas gana-gana-gana (gana el cliente, gana el empresario y gana el empleado). En 2019 publiqué mi libro Cubo del Sistema de Gestión como un recetario de muchas de las técnicas Lean-Agile que utilizo en mi día a día como coach y consultor.

Mas post de Jorge Díaz