Passar ao conteúdo

O meu amigo, colega e novíssimo chefe do Departamento de Pessoas da BABEL, Felipe Pérez, pergunta-me o que é esta Nação BABEL de que eu falo sempre e que nunca consigo definir.

A Nação BABEL é uma utopia, e como todas as utopias é irrealizável, mas também como todas as utopias, é um farol mítico, é um lugar para onde se quer ir mas nunca chegar, e no entanto quanto mais nos aproximamos dela, mais felizes seremos e mais protegidos estaremos.

As nações são, a meu ver, as organizações sociais por excelência. Reúnem conceitos fantásticos como cultura, sentimento de pertença, esperança de prosperidade, casa, liberdade individual, proteção social... as pessoas sentem que pertencem à sua nação de uma forma muito íntima. De facto, alguns iriam mesmo para a guerra por isso (eu não o faria).

Assim, um dia ocorreu-me que poderia ser uma grande ideia articular uma empresa como se fosse uma nação. As nações (democráticas) construíram um magnífico equilíbrio entre a proteção da organização (o Estado) e as liberdades individuais. Os indivíduos, os cidadãos são os mestres do seu passado, do seu presente e do seu futuro, e é essa liberdade individual que faz as sociedades prosperar; porque um grupo de cidadãos toma conta das suas vidas pessoalmente, luta todos os dias, avança e faz avançar o grupo. Esse é o grande segredo. Que cada um se encarregue da sua vida.

A grande dificuldade em transformar uma empresa numa nação é a escassez de recursos económicos. O nosso país tem recursos praticamente ilimitados, mas uma empresa não tem. É por isso que se fala de utopia. Mas recordemos que a ideia é aproximar-se, não chegar lá.

E o que é que isto tem a ver com teletrabalho? Tudo.

Ultimamente li em artigos de imprensa e memorandos de outras empresas que falam sobre teletrabalho, sobre flexitime, sobre como se estão a adaptar à nova realidade resultante da pandemia,.... No entanto, em geral tudo isto me soa como uma manobra publicitária. Vendem as novas medidas (teletrabalho, trabalho de onde quer que se queira, fazer as horas que se quiser) como se estivessem a vender um pacote de uma plataforma de conteúdo: dou-lhe meio quilo de teletrabalho mais três quartos de flexitime e se não sair, coloco um ecrã duplo em sua casa.

Faço parte da direção da BABEL há muito tempo e sei que a pressão sobre o mercado de trabalho é grande, e suspeito que, por trás de todos estes anúncios e comunicados de imprensa da nossa concorrência está o medo da descapitalização do talento. É por isso que não estou convencido com estes comunicados de imprensa. Porque me parecem ser diretivas táticas e não estratégicas. Nenhuma destas notas fala sobre os princípios que orientam estas medidas. Falam apenas de adaptação, reatividade. Vão acompanhar os acontecimentos. Claro que vai haver trabalho à distância, claro que vai haver horários de trabalho flexíveis, claro... vamos todos oferecê-lo, não há mérito nisso. As atuais condições de mercado, o consenso entre clientes, fornecedores e, em geral, o ambiente político e social em torno de tudo isto torna muito mais fácil a implementação deste tipo de medidas. O mérito reside na motivação de cada empresa em adotar estas medidas, porque é isso que irá realmente marcar o futuro. Se a medida for tática, o futuro não será particularmente promissor, mas se a medida for estratégica, cada obstáculo, cada dificuldade, tornar-se-á uma oportunidade de melhoria. Uma oportunidade de se aproximar do mítico farol.

Na BABEL aspiramos a construir um lugar que se aproxime o mais possível da utopia de uma empresa em que não haja empregados mas cidadãos livres que sejam senhores do seu próprio futuro. Uma empresa que vive e trabalha para que a prosperidade individual e coletiva esteja no centro das suas decisões. Hoje é um trabalho flexível no local, amanhã será o escritório virtual, depois de amanhã será o dia de trabalho de quatro dias... mas o mais importante, e o que faz da BABEL o melhor local para se desenvolver, é que o próximo, que ainda não sabemos o que será, será certamente algo destinado a estar ainda mais próximo dos nossos desejos e desejos. Mais perto de sentir que somos os mestres das nossas vidas. Em suma, mais livre.

Eduardo Martín
Eduardo Martín Perfil en Linkedin

Ingeniero informático por la UPM, Director de Medios en BABEL, actor y cantante no profesional. Adoro la cultura y tengo memoria eidética para todo lo que carezca de importancia (por eso soy imbatible al Trivial). Creador del concepto BABEL Nación al que aspiro a dar contenido real algún día. No hay nada que a priori no me parezca interesante.

Mais posts de Eduardo Martín