Passar ao conteúdo
A telemedicina será um dos setores que mais evoluirá dentro do novo contexto sanitário. E a teleassistência será a especialidade que mais progresso e difusão irá experimentar.

Serviços de teleassistência como o botão vermelho (SOS) ou chamadas dos serviços de saúde ou sociais têm sido utilizados há mais de 20 anos. No entanto, há uma série de motivações de longa data que estão a encorajar a implantação destes serviços. A crise sanitária irá acelerar estes processos:
  • Em Espanha há mais de dois milhões de idosos com mais de 65 anos que estão sozinhos.
  • Uma maior capacidade e familiaridade das pessoas idosas com dispositivos e serviços digitais
  • Redução dos custos de saúde devido a ações preventivas que reduzem o número de emergências, internamentos e consultas de cuidados primários.
  • Uma implantação consolidada das redes de telecomunicações a nível nacional e a utilização de 5G.
  • Consolidação de plataformas técnicas de interconexão e processamento em massa de dados em tempo real.
O valor diferencial dos novos serviços será dado ao facilitar uma oferta integrada que abrange os seguintes aspetos: assistência remota, atenção personalizada, acompanhamento contínuo e que o utilizador se sinta um sujeito ativo com os serviços e plataformas. Estes serviços de base serão:
  • Assistência médica. Com base num serviço de consulta em vídeo com disponibilidade 24h, acesso a uma vasta e especializada rede de serviços médicos, consulta médica online e acompanhamento médico personalizado e integração com os serviços sociais públicos.
  • Emergência. A ativação do SOS pelo paciente (seja a partir do telemóvel ou de objetos de uso), permite a monitorização e envio online de assistência ou pessoal de saúde, se necessário.
  • Monitorização remota. Disponível tanto para pessoal especializado como para prestadores de cuidados pessoais que querem ou precisam de saber em tempo real o estatuto de cada pessoa.
  • Posicionamento. Serviços que permitem conhecer a localização de uma pessoa e definir avisos e alertas (para evitar situações de risco) que lançam ações quando se atinge uma certa distância da sua localização (geofencing) ou, por outro lado, há atividade ou é detetada uma queda.
  • Bem-estar. Com base em planos de saúde preventiva (exercício / alimentação), apoio psicológico especializado, avisos e conselhos com recomendações de saúde ou a inclusão de planos de estimulação cognitiva.

Além disso, as plataformas têm de ser concebidas com flexibilidade suficiente para incluir serviços complementares tais como integração com dispositivos ambientais, segurança e alarmes ou engagement.

Os pilares fundamentais sobre os quais uma plataforma se deve apoiar são:
  • Tempo real e integração. Sistemas que permitem o processamento e sincronização massiva de dados para geração de alarme e tomada de decisões (24 X 7), bem como plataformas IOT Health para a integração de dispositivos físicos e a sua monitorização.
  • Motor de análise. Processamento de dados que complementa os sistemas em tempo real e permite a inclusão de funções de previsão, deteção de padrões e aprendizagem de máquinas / IA, bem como a garantia de conformidade com a GDPR.
  • Usabilidade/Acessibilidade. Serão essenciais para que os serviços oferecidos através de comprimidos ou smartphones tenham uma interação especialmente concebida para seniores. O objetivo é gerar experiências para ganhar independência e autonomia pessoal e evitar a frustração e rejeição na utilização destas instalações.
  • Assistentes de voz. O Google Home ou o Amazon Alexa, entre outros, estão a tornar-se elementos inovadores nos serviços de apoio.

Esta breve análise da situação e das tendências mostra que a teleassistência vai tornar a vida dos nossos idosos, e portanto a nossa, mais confortável.
 
Comunicación BABEL
Comunicación BABEL Perfil en Linkedin

Somos el departamento de Comunicación de BABEL, y nos encargamos de desarrollar la estrategia de comunicación y la identidad corporativa de nuestra organización.

Mais posts de Comunicación BABEL