Passar ao conteúdo


Hoje é o aniversário de uma das nossas colegas, e vamos celebrá-lo. Até agora, tudo normal, exceto que cada um de nós o fará na sua própria casa, por vídeochamada. A crise do coronavírus, desafiou-nos a continuar com as nossas rotinas, agora virtuais, porque precisamos de enfrentar este desafio.
 
Este é um pequeno exemplo de como na BABEL estamos a enfrentar esta situação inesperada. O teletrabalho foi implementado na nossa empresa há mais de três anos. Antes da crise, 30% dos funcionários trabalhavam pelo menos um dia por semana, já em modo de teletrabalho. Hoje somos 99% da empresa. Para nós, o teletrabalho não é apenas trabalhar em casa, faz parte da nossa cultura e é uma filosofia baseada em confiança e responsabilidade. Segundo Rafael López, CEO da BABEL, este treino foi decisivo para lidar com a presente crise: “A BABEL tinha a tecnologia e a experiência do teletrabalho. Isso permitiu que a adaptação funcionasse remotamente de modo imediato.” Neste processo, o apoio dos nossos clientes foi fundamental, "eles permitiram que continuássemos telematicamente a nossa atividade: trabalho em plataformas colaborativas, acesso a ambientes remotos, uso massivo de videoconferências...".

“Atualmente, também estamos a enfrentar dificuldades. Os principais problemas ocorreram em alguns clientes em que a plataforma tecnológica para trabalhar remotamente não estava disponível ou não estava prevista do ponto de vista administrativo. Isso dificultou o início do teletrabalho, mas em poucos casos. Felizmente, a boa vontade de todas as partes tornou possível resolver as dificuldades com grande velocidade ”, explica o nosso CEO.
 
Para manter a estabilidade dos negócios, foram tomadas medidas imediatas com o objetivo principal de manter os empregos e estender, tanto quanto possível, uma situação económica de benefícios suficientes para suportar os custos dos negócios. “Nesta linha, realizámos cortes em todos os investimentos que não eram essenciais para a manutenção do negócio ou que não traziam benefícios imediatos. Além disso, para as pessoas que ficaram sem assignação, envidámos esforços para alcançar novas atribuições em outros clientes e usar as férias como um mecanismo imediato de economia de custos. Nos escritórios com rentabilidade razoável, por exemplo em Espanha, estas férias por realocação são pagas a 50% entre a empresa e o trabalhador. Noutros escritórios, isso não é possível porque a situação de rentabilidade deles não o permite”, esclarece Eduardo Martín, diretor de Mídia da BABEL.
 
A comunicação desempenha um papel decisivo neste momento. Novas diretrizes precisam ser definidas a alta velocidade para estabelecer uma comunicação fluida e transparente com todos os nossos funcionários. Em todas as direções, para que todos na equipa saibam quais são os objetivos, as prioridades... Receber informações do CEO todas as semanas está a ajudar a resolver muitas perguntas e preocupações. Também estamos constantemente conectados com as nossas equipas, gerentes, diretores... Estar fisicamente separados não significa que não podemos estar mais próximos do que nunca e reforçar os nossos valores e cultura.

O departamento de Personas continua, desde o primeiro dia em que o governo decretou o confinamento, com os seus procedimentos habituais: Incorporações, integrações, entrevistas ... tudo através de videochamadas. Continuamos a incorporar profissionais na equipa, apesar das dificuldades que estamos a enfrentar. São momentos em que descobrimos muitas habilidades, não apenas tecnológicas, mas também organizacionais, emocionais, criativas ...Uma equipa diferente, melhor e mais coesa está a surgir.

Mas nesta guerra, a nossa melhor arma é a tecnologia e o departamento de TI, sendo mesmo um pilar básico. Segundo Eduardo Martín, diretor de mídia da BABEL, “trabalhou-se em tempo recorde para garantir que a largura de banda que tínhamos, a capacidade de conexões VPN simultâneas e outros sistemas de conexão com os nossos clientes fossem suficientes para suportar este cenário de teletrabalho total”. David Tapiador, chefe do departamento de TI da BABEL, acredita que há várias lições a serem aprendidas com esta crise, “desde a atitude positiva e o comprometimento de todos os colegas, até à satisfação de poder ajudar os nossos clientes a implementar o teletrabalho com sucesso e em contra-relógio. Para a equipe de TI, é muito gratificante ver que tudo está a funcionar corretamente”.
 
O nosso diretor de mídia acredita que “esta situação vai colocar-nos com «os pés no chão», pois estaremos mais cientes da vulnerabilidade e da importância da nossa sociedade privilegiada. Talvez paremos de ser tão exigentes com os outros e comecemos a ser mais compreensivos com as pessoas ao nosso redor. Em termos de negócios, isto terá um antes e um depois na maneira como a nossa atividade é praticada, e isso abre um novo mundo de oportunidades.” Rafael López, CEO da empresa, concorda com esta última ideia: “Estamos a viver o que pode ser o começo de uma mudança de paradigma em relação à localização dos trabalhadores. Obviamente, isto não pode ser aplicado a todos os setores, mas pode ser aplicado a muitos. Esta transformação levar-nos-á a uma maior realocação e globalização, mas também ajudar-nos-á a tornar as nossas cidades mais sustentáveis ​​e a cuidar do meio ambiente ".

Na BABEL, já estamos a pensar no momento em que tudo voltará ao normal. Enquanto isso não acontece, permanecemos calmos e aceitamos esta situação como um desafio que nos tornará diferentes, esperemos que mais fortes, empáticos e unidos.

"A maior ameaça à humanidade não era um míssil ou uma bomba nuclear, mas um micróbio que poderia causar uma doença infecciosa"

dito por Bill Gates em 2015

Descripción imagen
Merce López Perfil en Linkedin

Soy Responsable del Departamento de Notoriedad y Comunicación de BABEL. Siempre en continuo aprendizaje y formación, el periodismo es mi pasión. Marketing digital, redes sociales,  nuevas tecnologías… y mucho trabajo en equipo son las herramientas para conseguir mi objetivo final: comunicar.

Mas post de Merce López